Rescaldo: Maratona BTT 100 Trilhos (Castro Verde)

Mais um domingo, mais um evento ao qual a nossa secção disse “presente”! A missa deste domingo foi nos campos de Castro Verde e o pároco da freguesia o clube BTT 100 Trilhos. Aliado a um dia com algum calor, paisagens dignas de maravilhosas fotos, estavam reunidas condições para mais uma manhã bem passada.

Chegado ao local a azáfama era evidente entre a organização que fazia de tudo para dar os “bons dias” aos atletas que chegavam. Entre caras conhecidas (e outras nem tanto) os minutos iam passando, as bikes iam ficando afinadas para a partida e os atletas aglomeravam-se na linha de partida. O speaker ia debitando informações úteis sobre os percursos. Chegado o momento da partida, soou o “apito inicial” e os cerca de 260 atletas partiram para que, depois de algumas horas, concluírem os seus objectivos pessoais e/ou colectivos.

O início foi bastante rápido dentro das ruas da vila servindo para um aquecimento para se entrar, em força, nos trilhos. Os trilhos… Excelentes trilhos!! No início um pouco de sobe e desce para testar espicaçar os atletas e estender (ainda mais!!) o grande pelotão. Entre subidas e, naturalmente, descidas o percurso caminhava entre o vasto campo amarelo colando em sentido os varios sentidos do ser humano que pedalava por lá. Sensivelmente a meio do percurso estava o momento que todos aguardavam… A escalada ao mítico S. Pedro das Cabeças! Segundo reza a história a batalha de ourique deu-se neste local. A subida era ingrime, fez com que a malta se aplicasse para escalar. Chegado ao topo, a vista compensava (em muito) o esforço dispendido, existindo também uma zona de abastecimento (líquidos e sólidos) para ajudar a recompor forças. Como tudo, aquilo que subimos, agora descemos! A descida foi feita num serpentear e em single-speed que, certamente colocou um sorriso na cara de cada um.

Os km’s iam passando, o calor ia dando sinais que estava ali também para acompanhar os atletas, fazendo com que a organização colocasse (e bem) vários pontos de água ao longo do percurso. Rectas, subidas, descidas, pedras, single-tracks era tudo aquilo que tínhamos que ultrapassar para progredir no terreno. A certa altura, nova subida (ou direi antes escalada??) e… S. Pedro das Cabeças novamente! Qualquer que fosse o lado, a passagem e as vistas são sempre um ponto marcante desta edição da maratona. Novamente descida em single-track para alegrar a malta. O final, com o passar dos km’s, com o calor e alguma fadiga já era feito a uma velocidade menor, nem tudo é mau, dá para continuar a apreciar as vistas. Na meta a organização aguardava a chegada dos atletas, colocando também, numa mesa, fruta fresca (melão, melancia) águas, sumos e recuperador, tudo o que os atletas chamam “um mimo” após o esforço.

Os nossos atletas alinharam à partida 4 (Daniel Batista, Miguel Nunes, Miguel Rosa, Pedro Rodrigues) e de tudo fizeram para mostrar as cores do clube. Infelizmente o azarado foi o Daniel co um furo ao km6 que deitou por terra o objectivo de uma boa classificação. Os restantes elementos terminaram as suas provas, não existindo (até ao momento da escrita deste rescaldo) ainda as classificações. A todos obrigado mais uma vez pelo esforço! Até à próxima!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.